Nova atualização do WhatsApp

nova

O WhatsApp liberou a alguns dias atrás, uma nova atualização para os usuários de iOS. Agora, é possível adicionar mais uma camada de segurança para os dispositivos da Apple, com o bloqueio do acesso ao mensageiro via reconhecimento biométrico, seja facial, via Face ID, ou com impressões digitais, no Touch ID.

Para utilizar o recurso, é preciso ver se a nova atualização esta disponível para ser baixada, após realizar esse procedimentos é só abrir as configurações do app, entrar em contas e, depois, em privacidade, para então encontrar a opção em bloqueio de tela. Após isso, toda vez que você for abrir o WhatsApp será necessário autenticar a sessão com a identificação de seu rosto ou de suas digitais.

Vale destacar que as notificações na tela inicial e as respostas rápidas continuam sendo utilizadas, mesmo sem a confirmação biométrica, caso essas ferramentas estejam ativadas. O update está disponível na versão 2.19.20, que pode ser encontrada na App Store.

Google Maps ou Apple Maps?

Google Maps é referência para uso de mapas já há bastante tempo, mas isso pode mudar. Um antigo funcionário Apple, o designer Justin O’Beirne, da divisão responsável pelo Apple Maps destacou, em uma enorme quantidade de GIFs, as diferenças entre o antigo Apple Maps, o atual e o principal concorrente, o Google.

Segundo ele, na área coberta pelo mapa, o atual Apple Maps consegue ser mais detalhado, tanto em áreas verdes quanto em áreas urbanas. Diferente da sua versão antiga, que não destacava muitas regiões verdes e nem construções.Contudo, nem tudo são flores. Apesar de possuir mais detalhes, atualmente o mapa cobre uma região muito pequena. Além disso, também não possui muitos locais comerciais registrados. Obviamente a área coberta está a crescer — em passos lentos, provocados pelo nível de detalhes investido em cada região.

O mapa possui construções tridimensionais condizentes às estruturas originais, praias, campos de futebol e de golfe e pistas de corrida devidamente representadas.

O’Beirne ressalta que o mapa não é perfeito. Apontando alguns erros no detalhamento, ou ausência total de algumas construções e regiões. Algumas delas dando total vantagem ao mapa do Google e marcações completamente equivocadas.

Novo Apple Watch 4

O novo Apple Watch Series 4 traz algumas novidades que dão uma nova vida ao relógio inteligente da maçã.

O novo modelo traz novidades muito interessantes. A primeira delas é que é o primeiro smartwatch a trazer um processador 64-bit no pulso. As possibilidades que isso traz em termos de performance e capacidade dos aplicativos são enormes.

Outro ponto fortíssimo é a possibilidade de medir o eletrocardiograma (ECG) do usuário, usando os novos sensores do aparelho. A coroa digital passa a fazer parte desses sensores. E a grande notícia é que a função já foi aprovada pela FDA, que é a equivalente da Anvisa no Brasil. Aliás, falando em Brasil, a página em português não faz nenhuma menção ao ECG, o que significa que em nosso país a função não deverá fica ativa. É preciso autorização da nossa Anvisa para vender este tipo de equipamento em território nacional, coisa que pode demorar anos, como já comentamos aqui. Há outros sensores bem interessantes. O giroscópio e o acelerômetro foram aprimorados e agora o relógio é capaz de detectar quedas inesperadas do usuário, com alerta facilitado para um contato, parente ou serviço de emergência. Isso é muito útil para pessoas de idade que moram sozinhas, por exemplo, para que o aviso seja dado em situações de complicação.

A tela está 35% maior, o que dá espaço para mais informações na tela. O corpo está mais fino e com uma leve mudança de dimensões, que agora oferece os tamanhos de 40mm e 44mm (contra os antigos 38mm e 42mm). Apesar disso, as pulseiras de outras gerações continuam servindo entre si, o que é uma ótima notícia.

Os sensores na parte traseira do relógio (que antes eram 4 pontos circulares) agora virou um ponto central único. Toda a superfície é em cerâmica e cristal Safira.

Parabéns iMac!

O dia 15 de agosto de 1998, entrou para a história pelo lançamento do primeiro iMac, o desktop da Apple que chamou atenção devido ao seu design moderno e colorido. O iMac G3 foi desenhado pelo chefe de design da Apple, Jony Ive, e usava plástico transparente, deixando seu hardware interno à vista dos usuários. Outra particularidade que deu destaque para o aparelho é o fato da CPU e o monitor serem uma peça só, algo ainda pouco comum naquela época.

O preço de lançamento do iMac G3 era de US$ 1.299 e ele vinha com um processador PowerPC 750 G3 de 233 – 700 Mhz, 128 GB de armazenamento interno, tela de 15 polegadas, drive de CD-ROM e placa de vídeo ATI – tudo isso muito moderno para a época.

As cores disponíveis tinham nomes exóticos que ajudavam muito: Bondi Blue, Blueberry, Grape, Graphite, Indigo, Lime, Sage, Strawberry, Ruby, Snow, Tangerine, Blue Dalmatian e Flower Power. As 13 opções estão em exposição no Museu Henry Ford, em Dearborn, Michigan, Estados Unidos.

O lançamento do iMac foi de grande importância para a Apple, que havia recebido Steve Jobs de volta há menos de um ano e ainda lutava para se recolocar no mercado. No ano de 1999, a empresa havia triplicado a receita em seu primeiro trimestre com as vendas de fim de ano de seu desktop colorido.

De lá até hoje, o iMac mudou muito tanto em design quanto em especificações, mas continua um sucesso.

Novos modelos de iPhone

Andam circulando rumores de que a Apple lançará novamente três modelos do iPhone em 2018, sendo dois deles com tela OLED (os sucessores do iPhone X) e um terceiro mais em conta, com tela LCD (o possível iPhone 9). E, ao que tudo indica, o modelo mais simples terá produção duas vezes maior do que a de seus irmãos mais poderosos.

O analista Jun Zhang, da Rosenblatt Securities, define que a Apple dará um enfoque muito maior na produção sucessor do iPhone 8. A ideia, é que a companhia incentive os usuários a realizar o upgrade de geração, um apelo que fica mais fácil ao oferecer um aparelho mais em conta (isso em relação ao iPhone XI e iPhone XI Plus, obviamente).

Incialmente Zhang acreditava que a Apple produziria 60 milhões de unidades do modelo de LCD, com outras 50 milhões de unidades dos modelos OLED. Agora, dada a projeção de que a Apple apostará forte no iPhone 9, ele refez as suas previsões e aposta em 75 a 80 milhões de unidades do aparelho com tela LCD contra “apenas” 30 a 33 milhões de sucessores diretos do iPhone X.

As informações mais recentes dão conta que a Apple incrementou o número de pedidos de telas OLED da Samsung ao passo em que o fornecimento de telas LCD por parte da Japan Display e da LG reduziu. Vale notar que essa diminuição acontece graças a problemas enfrentados por ambas as companhias na hora de embutir a câmera True Depth no painel frontal do iPhone.

Ou seja, esse conjunto de informações, por vezes desencontradas, apenas aumenta a expectativa sobre os novos iPhones. Contudo, todos os mistérios devem ser solucionados apenas em setembro, quando provavelmente a Apple apresentará a nova geração dos seus smartphones.

AirPods!

Os AirPods são um dos mais bem-sucedidos gadgets da Apple nos últimos anos e atualmente esta em falta nos Estados Unidos. Com a boa aceitação, a Apple já vem estudando em uma versão aprimorada dos fones de ouvido e agora o analista especializado em Apple na KGI Securities, Ming-Chi Kuo, traz algumas novidades, incluindo a possibilidade deles virem juntos com o sucessor do iPhone X no final do ano que vem.

Para começar, a próxima geração de AirPods devem vir com um componente de quartzo. Ainda não dá para dizer ao certo como isso deve otimizar os dispositivos, mas pode ser algo para a otimização da acústica ou distribuição de energia. Aliás, a companhia havia adiantado que lançaria um dock para carga indutiva e essa mudança pode ser algo relacionado. Não se sabe se será algo individual ou o já anunciado acessório para carga conjunta e simultânea de iPhone X ou iPhone 8, Apple Watch e AirPods.

Sobre a atual falta de produtos nas prateleiras, ele afirma que a falta de baterias maleáveis são o principal gargalo na cadeia de fornecimento. Com a demanda deste ano, a Gigante de Cupertino virá melhor preparada para o segundo semestre de 2018, quando espera comercializar mais de 26 milhões de unidades do AirPods 2. Para aumentar essa distribuição, eles viriam como mimos de luxo da atualização do iPhone X.

Duas câmeras traseira? Para que servem?

Para você que possui iPhone 7 Plus, 8 Plus e iPhone X, esse artigo é importante.

Já sabem o por que a traseira dos aparelhos Plus(iPhone 7 em diante), contém duas câmeras?

Nós explicamos!

As duas câmeras têm 12MP cada uma, mas são usadas em papéis diferentes. Uma delas é especializada em fotos para objetos distantes; a outra é voltada para objetos próximos.

A câmera da esquerda usa uma lente de ângulo aberto, enquanto a da direita usa uma lente teleobjetiva. Enquanto a primeira consegue capturar uma área maior em frente ao celular em cada fotografia, a segunda captura uma área menor, mas com a mesma qualidade e resolução.

Isso permite que o aparelho tire fotos com zoom óptico de até 2x, sem perda de qualidade ou resolução. O que smartphones geralmente chamam de zoom é um aumento da imagem na tela sem aumentar a resolução. Por isso, quando você usa o zoom digital num celular ou câmera, a foto é “esticada” e naturalmente perde a qualidade.

O zoom óptico, portanto, é o zoom “de verdade”, o que realmente aproxima a imagem de um ponto específico mantendo a mesma qualidade. É isso o que os iPhone’s Plus conseguem realizar com o sistema de duas câmeras. Além do zoom óptico, o software do aparelho permite dar zoom de até 10 vezes, embora com uma ligeira perda de qualidade considerando que, a partir do 2x, o zoom é digital.

Mas não é só isso que a câmera dupla faz. Um outro importante recurso é o de maior profundidade de campo. Usando os dois sensores ao mesmo tempo, o smartphone consegue criar aquele efeito em que o fundo da imagem fica borrado e os objetos ou pessoas mais próximas ficam em destaque. Semelhante, ao Huawei P9, porém a ideia do aparelho, foi usar os dois sensores para tratar as cores da imagem de maneiras diferentes. Um deles registra uma foto monocromática e o outro registra a mesma imagem colorida e três vezes mais brilhante.

Mas nada se compara a qualidade e inteligência da Apple.

Achando seu iPhone com ajuda do Apple Watch!

achando

Não sabe onde deixou seu iPhone? Com ajuda do Apple Watch, será mais fácil encontra-lo.
A Apple colocou uma função no Apple Watch para ajudar aqueles que precisam de ajuda para encontrar o iPhone perdido, seja na sala, na cozinha, no quarto, ou qualquer lugar PERTO de você.
Para fazer isso basta arrastar o dedo para abrir os Glances, em seguida ir para a primeira tela à esquerda. O botão na parte de baixo da tela é o que estamos procurando. Apertando o botão, seu iPhone emitirá um toque para te ajudar a encontrá-lo.

iOS 12

Em sua conferência anual de desenvolvedores (WWDC), a Apple apresentou a mais recente versão do seu sistema operacional para iPhones e iPads: o iOS 12.

A boa notícia que é a nova versão do iOS, cheia de melhorias e recursos novos, vai rodar em todos os iPhones e iPads que suportam o iOS 11. Como um dos principais objetivos da atualização é melhorar a performance do iPhone, quem tem celulares antigos não precisa se preocupar em deixá-lo mais lento com o iOS 12. Com devida insistência dos usuários da apple, a empresa resolveu melhorar o gerenciamento de notificações, o iOS 12, vai agrupar as notificações de um mesmo app em grupos. Assim, é possível se livrar de todas de uma só vez. Além disso, também é um jeito de aumentar sua privacidade. O motivo? Nem todas as mensagens recebidas pelo WhatsApp serão mostradas, por exemplo. Os divertidos Animojis, são a diversão para quem possui o iPhone X, mas com a novo iOS 12, surgirão os Memojis, que da liberdade para o usuário caracterizá-los do seu jeito.

Após ser integrado ao iMessage, que é o aplicativo de mensagens da Apple, o Facetime poderá fazer ligações de vídeos em grupo. Será possível que até 32 pessoas participam de uma vídeo-chamada ao mesmo tempo. Será lançado um novo aplicativo, chamado de “Measure”, é um dos bons exemplos de realidade aumentada prometidos pela Apple. Como uma fita métrica, o app poderá ser usado para medir objetos com a câmera quando o usuário apontá-la do iPhone. Tendo como plataforma tecnológica o ARKit 2, o aplicativo consegue calcular altura, largura e profundidade do objeto.

Outra novidade do iOS 12 será o “Digital Health”. Ele será responsável por mostrar ao usuário quanto tempo ele gasta com cada aplicativo do celular. Também pensando em ajudar a combater o vício nos aparelhos, o “Screen Time” definirá limites de uso para os apps. Dessa forma, o próprio sistema enviará notificações para avisar o usuário de que ele já ultrapassou o tempo limite estipulado para o Facebook, por exemplo.

Novo Apple Watch Series 3

A Apple anunciou em seu site que vai começar a vender o Apple Watch Series 3 com conectividade 4G ainda neste mês de junho no Brasil. O dispositivo chegará ao mercado nacional em 11 opções básicas e várias especiais de design, sendo que as mais baratas — com construção em alumínio — sairão por R$ 3.199.

Isso quer dizer que você pagará R$ 700 a mais para ter um smartwatch com conectividade 4G na comparação com os aparelhos equivalentes também da terceira geração do dispositivo. O Apple Watch conectado mais caro disponível no site da Maçã é aquele com carcaça construída em cerâmica, da versão “Edition”. Pulseiras distintas também podem alterar o preço do produto, mas o valor básico é de R$ 9.999 para esses modelos.

 

Segundo a Apple, a pré-venda dos aparelhos começa nesta sexta-feira, dia 08. Fora esses produtos, a empresa também vai lançar no mesmo dia as versões Apple Watch Hermès (a partir de R$ 9,2 mil todos com 4G) e Nike+ (a partir de R$ 2,6 mil sem 4G e R$ 3,2 mil com 4G). Infelizmente, apenas uma operadora nacional poderá operar esses relógios por enquanto, a Claro. Segundo a fabricante, é necessário usar a mesma operadora no iPhone e no Apple Watch para a conectividade móvel do relógio funcionar.